Análise de Mercado – Fevereiro de 2016

Análise de Mercado Fevereiro

Com base na análise dos dados da Pesquisa Mensal de Emprego feita pelo IBGE, é possível ver que a taxa de desocupação (proporção de pessoas desocupadas em relação à população economicamente ativa) no conjunto das seis regiões metropolitanas investigadas foi estimada em 8,2% para fevereiro de 2016, registrando alta de 0,6 ponto percentual frente a janeiro.

Este percentual representa um total de mais 2,0 milhão de pessoas desocupadas nas regiões abrangidas pela pesquisa (Regiões Metropolitanas de Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Porto Alegre), registrando acréscimo de 7,2% (136 mil pessoas) frente ao mês anterior. Na comparação com fevereiro de 2015, ocorreu acréscimo de 565 mil pessoas em busca de trabalho (39,0%).

Análise da Evolução Mensal

No gráfico a seguir, podemos ver o comportamento desta taxa nos últimos meses, onde a tendência de crescimento só se reverteu levemente nos meses de novembro e dezembro de 2015, voltando a subir em janeiro de 2016 e em fevereiro.

Análise Tx_Desemprego Jan/15 a Fev/16

Comparação anual para o mês

Em um horizonte mais longo, vemos que a taxa de desemprego para o mês de fevereiro inverteu a tendência de queda, subindo 0,7 p.p. em 2015 e subindo fortemente 2.6 p.p. em 2016, como mostra o gráfico abaixo.

Análise_Tx_Desemprego_Fev/05 a Fev/16

As opiniões de muitos analistas de mercado em janeiro sobre o mercado se mantém para fevereiro e apontam para um cenário de aumento da taxa de desocupação ao longo do ano, com o índice atingindo dois dígitos até o final do ano. Mas o ministro do Trabalho, Emprego e Previdência, Miguel Rossetto, afirmou que o quadro preocupa o governo, mas demonstrou confiança numa melhora do cenário ao longo do ano.

Renda do Trabalhador

A renda do trabalhador caiu um pouco mais em comparação com Janeiro (R$ 2.228 em fev x R$ 2.243 em jan) e esse movimento tende a se agravar ainda mais com a crise. O gráfico abaixo mostra o comportamento da renda média nos meses de fevereiro ao longo dos últimos anos.

Rend_Fev/05 a Fev/16

Como mostra este gráfico, em fevereiro de 2016, houve uma queda real de 7% no rendimento médio da população ocupada, a mesma taxa observada para a comparação do mês de janeiro. Estes números mostram que voltamos a patamares de 2012.

Caso a recessão econômica não dê sinais de abrandamento, a tendência é que o desemprego aumente e a renda média caia, o que exige cuidado e planejamento.  Como apontou a Revista Veja, “A retração da economia mexe diretamente com o mercado de trabalho – mas não são só as estatísticas que atestam o quadro negativo. Perder o emprego é um golpe não apenas para o bolso, mas para a autoestima de pais e mães de família. O padrão de consumo cai, serviços não-essenciais deixam de ser contratados e bens duráveis deixam de ser substituídos. A redução ou mesmo eliminação de prosaicas regalias conquistadas pelas famílias nos anos de bonança também ajuda a explicar o quadro do desemprego no país.”

Você acha que corre o risco de ser demitido? Sabe o que fazer? Como sempre recomendamos, dê uma olhada em nosso post aqui e esteja preparado para lidar com um cenário ruim.

Referências:

www.ibge.gov.br

www.exame.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *